fbpx
coeficiente-runoff-conceito

Coeficiente de runoff ou de deflúvio: conceito e cálculo

O conceito de coeficiente de runoff (de deflúvio) será o nosso tema de hoje, principalmente no que diz respeito a projetos de instalações prediais de águas puviais. E o melhor de tudo, eu apresentarei o tema de maneira completa e simplificada.

Por isso, comentarei um pouco sobre escoamento superficial, método de Lloyd Davies, áreas aplicáveis e equação racional. Portanto, vamos logo ao que interessa.

Segura minha mão, e me acompanhe em uma um artigo!

Banner do curso de águas pluviais

Escoamento superficial

Dentre as fases básicas do ciclo hidrológico, sem dúvidas uma das mais importantes para projetos de águas pluviais é a de escoamento superficial. Então, antes de passar para o conceito do coeficiente de runoff, vou comentar um pouco sobre essa fase.

Basicamente, quando a chuva atinge o solo, parte dela fica retida na superfície. Desse excesso retido, parcela dele infiltrará na superfície precipitada e a outra parte irá escoar para pontos não saturados por conta da força de atração gravitacional.

Logo, o coeficiente de runoff nos auxiliará na determinação dessas parcelas. Ou seja, é ele que nos demonstrará qual a porcentagem de chuva irá escoar efetivamente, a depender da superfície (ou do material).

Conceito de coeficiente de runoff ou de deflúvio

Também conhecido como coeficiente de escoamento superficial ou coeficiente de deflúvio, é definido como a razão entre o volume de água escoado superficialmente e o volume de água precipitado. Ou seja, isso quantifica o grau de absorção de água pela superfície onde ocorre a precipitação, representando quantos % do volume precipitado será escoado efetivamente.

Na realidade, existe uma pequena absorção por parte das superfícies no início da precipitação, pois elas estão secas e os seus vazios contêm ar. Após algum tempo, estes vazios tornam-se saturados reduzindo a taxa de absorção da água.

Portanto, podemos conceituar o coeficiente de runoff por meio da seguinte equação

\large \mathrm{ C=\frac{V_{escoado}}{V_{precipitado}}}

Tanto a altura da lâmina de água escoada como a altura da lâmina de água precipitada são medidas em milímetros, necessárias para a mensuração dos respectivos volumes escoado e precipitado. Então, conhecendo o coeficiente de “run off” para uma determinada chuva intensa de certa duração, pode-se determinar o escoamento superficial de outras precipitações de intensidades diferentes, desde que a duração seja a mesma.

O valor de c varia na faixa de 0% a 100%, sendo:

C=0, quando há absorção total da água e não ocorre escoamento superficial;

C=1, quando não há qualquer absorção da água pela superfície, ou seja, a chuva precipitada escoa totalmente.

No que tange as instalações de águas pluviais, a NBR fez uma consideração bastante conservadora a favor da segurança e considerando o pior cenário possível. Ao desconsiderar o coeficiente de “run off”, a norma trata as superfícies de captação como totalmente impermeáveis, ou seja, c=1.

Entretanto, há em verdade uma pequena absorção no início da precipitação, por conta do ar contido em seus vazios quando se encontram secas. Passado algum tempo, estes vazios se tornam saturados, reduzindo a taxa de absorção de água.             

Portanto, durante o dimensionamento de águas pluviais, vamos supor que as coberturas ou demais superfícies não estejam mais absorvendo a água e que ela esteja escoando integralmente para os pontos de captação locais.

Coeficientes de runoff

Método Racional – conceito

Visto o conceito de coeficiente de runoff, vamos agora tratar sobre o método racional (por algumas vezes denominado método de Lloyd Davies). O método racional foi originalmente desenvolvido para estimar vazões máximas de escoamento em pequenas bacias urbanas. Ele estabelece uma relação entre a chuva e o escoamento superficial (deflúvio).

Este método parte do princípio básico de que a vazão máxima, provocada por uma chuva de intensidade uniforme e constante, ocorre quando todas as partes da bacia contribuem simultaneamente com escoamento na seção de deságue.

Entretanto, esta consideração ignora a complexidade real do processo de escoamento superficial, desprezando tanto o armazenamento de água na bacia quanto as variações da intensidade de precipitação e do coeficiente de escoamento superficial durante a precipitação.

A imprecisão do emprego do método será tanto maior quanto maior for a área da bacia, uma vez que as hipóteses anteriores se tornam cada vez mais improváveis. Dessa forma, a método não deveria ser aplicado para grandes áreas (cujos valores de limite de área variam de autor para autor)

Quando é aplicável?

Primeiramente, saiba que existem condições a serem alcançadas antes de se aplicar o método racional no seu projeto. Algumas delas são:

  1. Considera-se que a chuva incide homogeneamente sobre sua cobertura ou superfície. Ou seja, em todos os pontos precipitados, a intensidade pluviométrica será a mesma (convenção);
  2. Consequentemente, a equação racional (encontrada por meio do coeficiente de runoff) será aplicável somente a pequenas áreas;
  3. Assim como convencionamos para a intensidade pluviométrica, devemos considerar o coeficiente de runoff homogêneo ao longo de toda superfície precipitada. Logo, o grau de absorção será o mesmo em todos os pontos da superfície;
  4. Por fim, a duração da chuva crítica será fixada com o mesmo valor do tempo de concentração;

– Mas João, a respeito do item “b”, o que seria uma área pequena?

Aí que está o problema, meus amigos. Porque este conceito varia de autor para autor. Assim, caberá ao seu bom senso fazer esta determinação.

Para que você entenda, vou dar alguns exemplos. O professor Porto considera o limite para áreas pequenas até 3 km²; a ASCE, por sua vez, considera 0,8 km² como área máxima. Já o DAEE recomenda o Método Racional para bacias de até 2 km². Porém, acima deste valor há outros métodos mais indicados com o Método I-PAI WU e o Método SCS.

Portanto, no final, cabe a você escolher qual das recomendações seguir.

Primeira aula do Curso de Instalações de Águas Pluviais

Tenha acesso agora a primeira aula do nosso curso de Instalações de Águas Pluviais



Capacidade de Carga em Estacas

Equação racional por meio do coeficiente de runoff

Primeiramente, temos que ter em mente duas equações básicas da hidráulica e da hidrologia. A primeira delas diz respeito à taxa de volume escoado:

\large \mathrm{Q=\frac{V_{escoado}}{tempo}} (1)

A segunda é a equação que determina a intensidade pluviométrica:

\large \mathrm{i=\frac{h}{tempo}} (2)

Certo! Passada esta parte, vamos para a equação de runoff que aprendemos neste artigo. Ou seja:

\large \mathrm{ C=\frac{V_{escoado}}{V_{precipitado}}}

Assim, vemos que o numerado pode ser substituido pelos termos da equação (1), tal que Vescodo = Q × tempo. Portanto:

\large \mathrm{ C=\frac{Q \times tempo}{V_{precipitado}}}

Contudo, podemos ainda escrever o Volume total como sendo o produto entre a área superficial (Ac) e a altura de lâmina d’água (h):

\large \mathrm{ C=\frac{Q \times tempo}{A_c \times h}}

Perebam, então, que podemos substituir a relação “i=h/tempo” (2) na equação encontrada acima. Desse modo, ficamos com:

\large \mathrm{ C=\frac{Q}{A_c \times i}}

Por fim, basta reorganizamos os termos e deixá-los em função da vazão (de projeto):

\large \mathrm{ Q_d=C \times A_c \times i}

Prontinho! Temos, então, a chamada equação racional utilizada em projetos de instalações de águas pluviais conforme NBR 10.844/89.


Considerações finais

Por fim, gostaria de ressaltar que há MUITO MAIS tópicos hidrológicos que ainda precisam ser abordados. Entretanto, seria impossível trazer tudo o que eu quero em apenas um texto – como eu sempre digo.

Além disso, se você tem interesse em se aprofundar neste assunto, recomendo o livro do Roberto Carvalho e o livro do Azevedo.

Pessoal, infelizmente, o assunto de águas pluviais não pode ser resumido em alguns artigos. Por isso, indico fortemente o nosso curso completíssimo para quem sonha em dar um passo inicial na carreira de projetista: Curso de Instalações Prediais de Águas Pluviais.

Quer mais artigos nossos sobre este assunto? Então leia:

  1. Patologias em instalações de águas pluviais;
  2. Águas pluviais: dimensionamento de calhas ;
  3. Regimes de escoamento em condutores verticais;
  4. Dimensionamento de calhas e condutores: exercício de fixação;
  5. Fórmula de Manning: condutos retangulares .

Abraços do João!

Até a próxima

Deixe um comentário