fbpx
PDCA-CAPA-USAR

Ciclo PDCA: conceito e aplicação

Mais do que uma ferramenta da qualidade total, o ciclo PDCA é uma obrigação nas empresas que almejam um lugar de destaque no mercado em que atuam. Trata-se de uma metodologia de trabalho simples aprendizagem, mas de aplicação dificultosa.

Não me entenda errado. Quando eu falo “dificultosa”, eu me refiro à resistência em se quebrar o paradigma de trabalho adotado em imensa parte das empresas e por boa parcela de seus colaboradores. Até mesmo empresas aparentemente inexpugnáveis podem, em razão das rápidas mudanças sociais e culturais, ter sua sobrevivência ameaçada (FALCONI, 2014).

Então, julgo essa como sendo uma técnica válida e fundamental para todo profissional. Portanto, vamos nessa!

Introdução

Conforme ensina Falconi (2014), “método” é uma palavra de origem grega e consiste na soma das palavras META (além de) e HODOS (caminho). Logo, método significa caminho para se chegar a um ponto além desse caminho.

Em termos práticos, podemos aplicar isso à execução de uma tarefa, por exemplo. Ou seja, encontrar maneiras para se gerenciar uma atividade, a fim de se atingir um ponto mais baixo dos custos. Ou, ainda, conduzir uma tarefa de modo a sempre atingir uma qualidade superior.

Entendendo o ciclo PDCA

O PDCA é uma metodologia constantemente utilizada ao longo de todo o empreendimento. Trata-se de um ciclo, conforme imagem abaixo, onde cada quadrante representa uma etapa do processo. A sequência ocorre da seguinte maneira: inicia-se com o Plan (Planejar), passando para o Do (Executar ou desempenhar); em seguinda, procede-se para a etapa do Check (controlar), finalizando-se com o Act (agir).

pdca-1
Ciclo PDCA

Ao finalizar cada ciclo do PDCA, espera-se uma melhora. Então, cada melhoria corresponde ao estabelecimento de um novo nível de controle.

Em virtude da grande quantidade de variáveis envolvidas, como mão de obra, suprimento, intempéries, interferências, retrabalho e perdas periódicas de produtividade, o ciclo PDCA encaixa-se perfeitamente no mundo da construção civil, enfatizando a relação entre o planejamento, o controle e as ações preventivas e corretivas cabíveis (DÓREA, 2010).

Subdivisão PDCA
Subdivisão PDCA

Agora, vamos entender mais a fundo cada um desses quadrantes.

Ciclo PDCA – PLANEJAR

PLAN (PLANEJAR): Esta é a fase do estabelecimento da diretriz de controle, com a determinação das metas e dos meios necessários para atingi-las. Basicamente, esse quadrante do ciclo PDCA representa como empresa deseja alcançar suas vontades.

Esta etapa pode ser desmembrada conforme abaixo:

a) Estudar o projeto: envolve a análise dos projetos, visita técnica ao local da obra, identificação e avaliação de interferências etc.;

b) Definir metas: envolve a definição dos processos construtivos, o plano de ataque da obra, a sequência das atividades, a logística de materiais e equipamentos, a consulta a documentos de obras similares etc.;

c) Definir cronogramas e programação: consiste em coordenar as informações de modo que a obra tenha um cronograma racional e factível, Essa etapa leva em consideração os quantitativos, as produtividades adotadas no orçamento, a quantidade disponível de mão de obra, a influência da pluviosidade local etc

 Ciclo PDCA – EXECUTAR

Executar tarefas exatamente como previstas no planejamento e coletar dados para a verificação do processo. Nesta etapa é essencial o trabalho decorrente da fase de planejamento. Desmembrando esta etapa, temos:

a) Educar e treinar: consiste em treinar ou informar os envolvidos acerca do trabalho a ser executado, baseado nos procedimentos estabelecidos, de modo que sejam os melhores no desempenho das atividades;

b) Executar a tarefa: envolve a definição dos processos construtivos, o plano de ataque da obra, a sequência das atividades, a logística de materiais e equipamentos, a consulta a documentos de obras similares etc.

Ciclo PDCA – CHECAR

A partir dos dados coletados na execução, compara-se o resultado alcançado com a meta planejada. Nesta etapa, vamos:

a) Aferir o realizado: consiste em levantar no campo o que foi executado no período de análise, Essa é uma tarefa de apropriação de dados, na qual se compilam as quantidades de cada serviço efetuado no período;

b) Comparar o previsto e o realizado: após aferir o que foi efetivamente realizado, é preciso compará-lo com o que estava previsto no planejamento. Trata-se de um processo vital para o construtor, porque é o maior manancial de informações gerenciais. Nessa etapa, detectam-se os desvios e os impactos que eles trazem, assim como possíveis adiantamentos da obra e os respectivos benefícios.

Ciclo PDCA – AGIR

Por fim, temos o último quadrante do ciclo, o ACT (AGIR): É o momento da atuação corretiva, quando o colaborador detecta os desvios e atuará no sentido de fazer correções definitivas.

Nesse momento, após discussões entre a equipe, busca-se a identificação de novas oportunidades de melhoria, aperfeiçoamento do método e ações preventivas.

Por fim, há uma realimentação do ciclo com informações que podem vir a promover alterações nos processos padronizados.

Considerações finais

Lembre-se, o ciclo PDCA nunca se esvai. Ou seja, ao final de cada ciclo, proceder-se-á para um novo estabelecimento de metas. Assim, manteremos a busca pela melhoria contínua (Kaizen).

Pretendo, ainda, trazer mais conteúdo acerca das ferramentas da qualidade total que possuem importante aplicabilidade na Construção Civil. Certinho? No mais, fico por aqui.

 

Abraços do João!

 

 

 

 

 

Deixe um comentário