fbpx

Tipos de argamassas e suas aplicações na construção

Quem atua na construção civil sabe que a escolha da argamassa adequada pode impactar significativamente em sua obra. Em nosso dia-a-dia em canteiros acabamos ouvindo diversas nomenclaturas e isso pode acabar gerando muita confusão a quem não está acostumado.

Termos como “argamassa virada”, “colante”, “polimérica”, “para assentamento”, “decorativa”, “para revestimento”, “estabilizada”, “massa única/emboço paulista”, “chapisco” e por aí vai. Isso sem contar os numerosos termos técnicos: AC-I, AC-II – E, PSP, Classe A1 para aderência à tração etc.

Talvez por isso há quem prefira generalizar e, no fim, chamar tudo de: “massa”. Tão mais simples, não?!

Definições e cuidados especiais

Inicialmente, definimos argamassa como a mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerante inorgânico e água, contendo ou não aditivos, com propriedades de aderência e endurecimento, podendo ser dosada em obra ou em instalação própria (argamassa industrializada). Em linhas gerais, costuma-se simplificar o texto acima com a seguinte imagem retirada do livro Fundamentos Do Concreto e Projeto De Edifícios do professor Libânio:

composição comum da argamassa
composição comum da argamassa

Se você já estudou as disciplinas de concreto ou materiais de construção, provavelmente já deve estar cansado de ver essa representação acima. Mas calma, que a parte mais interessante está chegando!

A título de curiosidade, é muito comum a utilização de cal como aglomerante mineral em uma argamassa. A cal é um aglomerante aéreo empregado em argamassas de assentamento ou em revestimento de componentes ou elementos expostos ao ar, ou seja, não submersos ou enterrados. Ela oferece confere maior trabalhabilidade à argamassa.

Em se tratando de argamassas de revestimento e/ou assentamento de alvenarias, auxilia também na retenção de água, minimizando a retração na secagem. O mesmo ocorro quando empregada em serviços de assentamento de piso, contudo, sendo aplicada em menor quantidade. Por fim, para a utilização de argamassas mistas de cimento, cal e areia é recomendável hidratar previamente a cal antes do seu emprego (deixar a argamassa de cal em repouso); tal procedimento melhora também a trabalhabilidade da argamassa. Caso contrário, poderão surgiram buracos no reboco devido à expansão do MgO ao receber umidade do ar.

Tipos de argamassa

Basicamente, as argamassas podem ser de colante, rejuntamento, revestimento e assentamento.

1) Colante:

Conforme NBR 14081, trata-se de um produto industrial, no estado seco, composto de cimento Portland, agregados minerais e aditivos químicos. Quando misturado com água, forma uma massa viscosa, plástica e aderente, empregada no assentamento de placas cerâmicas para revestimento.

As argamassas colantes são utilizadas em revestimentos cerâmicos, porcelanatos, blocos de vidro, mármore, granito, entre outros. Há três designações normalizadas: AC-I, AC-II e AC-III.

Eles podem, ainda, ser do tipo E (AC I-E, AC II – E. O que seja, argamassa colante industrializada dos tipos I, II e III, com tempo em aberto estendido.

Entende-se como “tempo aberto” o maior intervalo de tempo para o qual uma placa cerâmica pode ser assentada sobre a pasta de argamassa colante, a qual proporcionará, após um período de cura, resistência à tração simples ou direta.

Argamassa AC-I ou AC 1

A AC I possui características de resistência às solicitações mecânicas e termoigrométricas típicas de revestimentos internos, com exceção daqueles aplicados em saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais.

Argamassa AC-I da Precon
Argamassa AC-I da Precon

Argamassa AC-II ou AC 2

A AC II possui características de adesividade que permitem absorver os esforços existentes em revestimentos de pisos e paredes internos e externos sujeitos a ciclos de variação termoigrométrica e a ação do vento.

Argamassa AC II da Precon
Argamassa AC II da Precon

Argamassa AC-III ou AC 3

A AC III é a argamassa colante industrializada que apresenta aderência superior em relação às argamassas dos tipos I e II. Esta argamassa é indicada para uso especial (assentamento de porcelanatos, pastilhas, pedras de granito e mármore e revestimento em ambientes especiais: saunas, piscinas e estufas) e também para locais de tráfego intenso.

Argamassa AC-III da Precon
Argamassa AC-III da Precon

Além desses, podemos citar outros tipos de argamassas colantes como a PSP (Piso sobre piso), as colantes para porcelanato e as colantes para mármore e granito.

A argamassa colante PSP existe nas cores branca e cinza, sendo de secagem rápida. Indicada para assentamento de peças cerâmicas e porcelanato sobre cerâmica em áreas internas, permite o trânsito leve em 3 horas. Não é indicada para revestimento sobre pisos de madeira, ou ardósia.

Argamassa Piso sobre Piso
Argamassa Piso sobre Piso

Já a colante porcelanato é usada no assentamento em pisos internos. Não deve ser utilizada em áreas externas, saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais.

Argamassa colante porcelanato
Argamassa colante porcelanato

A colante mármore e granito, obviamente, é recomendada para assentamento de peças de até 80x80cm, em áreas internas e externas. Indicada também para porcelanatos claros de até 60x60cm. É contraindicada a utilização desta argamassa em saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais.

Argamassa colante mármores e granitos
Argamassa colante mármores e granitos

2) Rejuntamento:

As argamassas de rejuntamento são ideais para preencher os espaços livres entre as peças cerâmicas em áreas internas e externas. A NBR 14992 traz duas classificações:

[ebook-diagrama-pareto]

Rejuntamento tipo I – Argamassa à base de cimento Portland para rejuntamento de placas cerâmicas para uso em ambientes internos e externos, desde que observadas as seguintes condições:

  1. aplicação restrita aos locais de trânsito de pedestres/transeuntes, não intenso;
  2. aplicação restrita a placas cerâmicas com absorção de água acima de 3% (grupos II e III – segundo a NBR 13817);
  3. aplicação em ambientes externos, piso ou parede, desde que não excedam 20 m² e 18 m², respectivamente, limite a partir do qual são exigidas as juntas de movimentação, segundo NBR 13753 e NBR 13755.

Rejuntamento tipo II – Argamassa à base de cimento Portland para rejuntamento de placas cerâmicas, para uso em ambientes internos e externos, desde que observadas as seguintes condições:

  1. todas as condições do tipo I;
  2. aplicação em locais de trânsito intenso de pedestres/transeuntes; c) aplicação em placas cerâmicas com absorção de água inferior a 3% (grupo I – segundo a NBR 13817);
  3. aplicação em ambientes externos, piso ou parede, de qualquer dimensão, ou sempre que se exijam as juntas de movimentação;
  4. ambientes internos ou externos com presença de água estancada (piscinas, espelhos d’água etc.).

Para ambientes agressivos quimicamente ou mecanicamente e outros tipos de revestimento, deve-se consultar o fabricante. Assim como ambientes com temperaturas acima de 70°C ou abaixo de 0°C (estufas ou câmaras frigoríficas), para esclarecer qual o produto adequado.

3) Revestimento e assentamento:

São indicadas para o revestimento de tetos e paredes de alvenaria, em áreas internas e externas, e assentamento de blocos de alvenaria de vedação

A argamassa de assentamento é utilizada para unir os blocos cerâmicos convencionais ou estruturais diversos. São usadas em alvenaria de vedação, alvenaria estrutural e para complementação da alvenaria (encunhamento, respaldo ou aperto).

Já as argamassas de revestimento têm a função de proteger, conferir rugosidade (grafiato) ou corrigir defeitos. São diferenciadas em argamassas para revestimento interno e para revestimento externo

A NBR 13281 traz ainda os seguintes tipos:

argamassa de uso geral: Argamassa indicada para assentamento de alvenaria sem função estrutural e revestimento de paredes e tetos internos e externos.

argamassa para reboco: Argamassa indicada para cobrimento de emboço, propiciando uma superfície fina que permita receber o acabamento; também denominada massa fina.

argamassa decorativa em camada fina: Argamassa de acabamento indicada para revestimentos com fins decorativos, em camada fina.

argamassa decorativa em monocamada: Argamassa de acabamento indicada para revestimento de fachadas, muros e outros elementos de edificação em contato com o meio externo, aplicada em camada única e com fins decorativos.

 

A escolha correta do tipo de argamassa, além de conferir melhor desempenho em nossas estruturas e demais elementos construtivos, pode evitar manifestações patológicas. A exemplo de fissuras, descolamento, desplacamento, ou manchas.

O que implica gastos, atrasos, retabalho e uma dor de cabeça enorme – e quem já passou por isso sabe muito bem como essa dor de cabeça é chata!

 

Bem, por hoje, ficamos com estas informações. Mas se tiver mais dúvidas, ficarei feliz em respondê-las!

Abraços do João.

7 comentários em “Tipos de argamassas e suas aplicações na construção”

  1. Eng.VICTOR, qual a quantidade (quilos), por metro quadrado. O meu pedreiro me pediu 4 sacos (80 quilos) para assentar 15 MTS de piso cerâmico. Agradeço.

    Responder
    • Fico feliz que artigo tenha ajudado! Com relação à situação apresentada, é importante que você saiba que cada tipo de argamassa colante possui um determinado rendimento medido em kg/m². Além disso, o rendimento também irá variar conforme o tamanho das peças a serem assentadas (ex: porcelanto 60 cm x 60 cm) e conforme o tipo de colagem adotada. Peças pequenas costumam ser assentadas com uma colagem simples (ou seja, a argamassa é aplicada sobre o piso); já peças maiores podem exigir uma colagem dupla (quando a argamassa também é aplicada sob o revestimento cerâmico).

      Sugiro que você verifique na embalagem do fabricante as informações sobre o rendimento da argamassa que está comprando. Caso você não tenha em mãos nenhum desses dados e queira ter apenas uma noção do quanto gastaria, é comum utilizar um rendimento médio de 5 kg/m² e colagem simples. Como você aplicará sobre uma área de 15 m², então o consumo será de (15 m²) × (5 kg/m²) = 75 kg de argamassa. Uma vez que cada saco pesa 20kg, então devemos utilizar um múltiplo superior mais próximo: 80 kg. Ou seja, 4 sacos.

      Lembre-se esse cálculo considerou valores médios de redimento. Para que você tenha maior precisão, no futuro, é interessante obter as informações dadas pelo fabricante (geralmente constam na embalagem).

      Responder

Deixe um comentário