folga-tipos

Tipos de folga em cronograma de obra

João Victor Construção Civil, Planejamento Deixe um Comentário

Há diversos tipos de folgas em um cronograma de obra que podemos encontrar enquanto analisamos uma rede de atividades. O conhecimento de cada tipo de folga é fundamental para o sucesso da sua tomada de decisões como um gestor.

– Mas João, onde eu vou utilizar isso?

Como eu disse, o conhecimento das folgas em seus projetos é importantíssimo para fundamentar o processo decisório dentro do planejamento de tempo da obra. Porém as técnicas que mais se apoiam nesses conceitos são: a análise do caminho crítico, nivelamento de recursos e estabilização de recursos.

Conforme enuncia o PMBOK 6ªed, ajustes às durações da atividade (quando mais recursos ou menos escopo pode ser providenciados), relações logicas (quando as relações forem arbitradas no início), antecipações e esperas, ou outras restrições do cronograma podem ser necessários para produzir caminhos de rede com folga total zero ou positiva.

Tipos de folga em cronograma: Folga total

Em qualquer caminho de rede, a folga total ou flexibilidade do cronograma é medida pela quantidade de tempo que uma atividade dele pode ser atrasada ou estendida a partir da sua data de início mais cedo sem atrasar a data de término do projeto ou violar uma restrição do cronograma.

Por esse motivo, um caminho crítico e normalmente caracterizado por uma folga total igual a zero no caminho crítico.

Agora, quando implementados com sequenciamento do método do diagrama de precedência, os caminhos críticos podem ter uma folga total positiva, igual a zero ou negativa, dependendo das restrições aplicadas.

A folga total positiva e causada quando o caminho de volta e calculado a partir de uma restrição do cronograma que é mais tarde que a data de término mais cedo que foi calculada durante o cálculo do caminho de ida.

A folga total negativa e causada quando uma restrição nas datas mais tarde e violada pela duração e logica. A análise de folga negativa e uma técnica que ajuda a encontrar possíveis formas aceleradas de colocar um cronograma atrasado de volta aos trilhos.

Tipos de folga em cronograma: Folga livre

A folga livre e a quantidade de tempo em que uma atividade do cronograma pode ser atrasada sem atrasar a data de início mais cedo de qualquer atividade sucessora, ou violar uma restrição do cronograma.

Então, aqui temos nossa primeira diferença. Enquanto na folga total o nosso objetivo é não atrasar o projeto como um todo, na folga livre o foco recai apenas na atividade sucessora.

A título de exemplo, veja o caminho abaixo:

cronograma-exemplo

diagrama de rede -exemplo

Perceba que a duração total do projeto é de 20 dias, e que o caminho crítico é composto pelas atividades A-B-F-G. Ainda, temos que a sequência A-C-E-G possui 18 dias de duração.

Portanto, temos uma folga total igual a 2 dias no caminho A-C-E-G. Ou seja, é possível atrasar todo esse caminho em, no máximo, dois dias sem que isso afete o cronograma inicialmente definido.

Apesar dessa folga total, perceba que a atividade C possui uma folga livre igual a zero. Ou seja, se essa atividade atrasar pelo menos um dia, irá prejudicar a data de início mais cedo da atividade E, que deve iniciar no dia 10.

Tipos de folga em cronograma: Folga de projeto

A folga de projeto, por sua vez, depende única e exclusivamente das decisões de que está financiando o projeto.

Por exemplo, se uma reforma precisa sem entregue em 30 dias e a estimativa calculada pelo engenheiro prevê que essa mesma reforma poderá ser entregue em 22 dias (duração do caminho crítico), então a folga de projeto será de 8 dias.

Assim, podemos dizer que a folga de projeto seria uma “folga do caminho crítico”.

Palavras finais

É importante destacar que existem, ainda, dois outros tipos de folgas: a dependente e a independente. Porém, seus conceitos são de pouquíssima aplicação prática. Inclusive, a maioria dos livros nem ao menos os cita.

Por isso, resolvi limitar o artigo apenas aos três tipos apresentados. Assim, despeço-me por aqui e me disponho a tirar quaisquer dúvidas que você tenha sobre o tema.

 

Abraços do João!

ate-a-proxima

REFERÊNCIA:

PMI. Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos. Guia PMBOK® 6a. ed. EUA: Project Management Institute, 2017

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *