Instalações sanitárias: exemplo prático

Dandara Viana Construção Civil

Você também tem dúvidas de como deve ser feita a correta execução das tubulações sanitárias de uma edificação?

Então você está no lugar certo!

Esse é o quarto e  último post da coletânea sobre Instalações Sanitárias que preparamos para vocês e, nele, iremos lhe ensinar a dimensionar, através de um exemplo prático, as tubulações de esgoto sanitário predial pelo método UHC, de acordo com a ABNT NBR 8160/1999.

Para esse post, sugerimos que dê uma olhada nos posts anteriores da nossa coletânea de Instalações Sanitárias, que são:

Agora, vamos à questão!

Exemplo prático

Dimensione as tubulações de esgoto sanitário predial para o banheiro de uma casa térrea (tubulação enterrada), exposto abaixo:

Banheiro simples

Banheiro simples

RESOLUÇÃO:

Passo 01: Determinar o traçado das tubulações de transporte de esgoto

Para determinar o traçado das tubulações de transporte de esgoto devemos levar em consideração as recomendações contidas na NBR 8160/99, que são:

  • As mudanças de direção devem ser feias com peças de ângulo menor ou igual a 45° e;
  • As mudanças de direção horizontal para vertical podem ser executadas com peças de ângulo de até 90°;
  • No caso de  tubulações enterradas, as interligações devem ser feitas através de caixa de inspeção ou poço de visita.

Desse modo, o traçado resultante neste passo é o seguinte:

Traçado das tubulações de transporte de esgoto, em verde

Traçado das tubulações de transporte de esgoto, em verde

Passo 02: Determinar as Unidades Hunter de Contribuição em cada ramal

Para o banheiro em questão, temos: 1 bacia sanitária, 1 lavatório de residência, 1 chuveiro de residência e 1 caixa sifonada com grelha.

Vale lembrar que, na tabela 1, não há número UHC correspondente para a caixa sifonada, pois esse UHC já é considerado no dimensionamento do ramal de saída da caixa sifonada, de acordo com o item 5.1.1.2 da NBR 8160:99.

Tabela 1 – Unidades de Hunter de contribuição dos aparelhos sanitários
unidade-hunter-1.jpg (1488×1468)

Tabela 2 – Unidades de Hunter de contribuição para aparelhos não relacionados na anterior

Portanto, de acordo com a tabela 1, o número de UHC que chega em cada ramal é apresentado no esquema abaixo.

Unidades Hunter de Contribuição em cada ramal

Passo 03: Dimensionamento dos ramais de descarga

Para esse passo também será usada a tabela 1. Dessa forma, os diâmetros resultantes para os ramais de descarga são:

DNRD1 = 40mm

DNRD2 = 40mm

DNRD3 = 100mm

Passo 04: Dimensionamento dos ramais de esgoto

Para esse passo será usada a tabela 3 abaixo.

Tabela 3 – Dimensionamento de ramais de esgoto

Dimensionamento de ramais de esgoto

Dessa forma, os diâmetros resultantes para os ramais de esgoto são:

O ramal de esgoto 1 é também o ramal de saída da caixa sifonada. Nessas condições, de acordo com o item 5.1.1.2 da NBR 8160:99, ele deve ser dimensionado pela tabela 2, o que resulta em:

DNRE1 = 50mm

De acordo com a tabela 3, o diâmetro nominal para o ramal de esgoto 2 seria 75mm, no entanto, esse ramal recebe contribuição do ramal de descarga da bacia sanitária de 100mm. Como não pode haver diminuição de diâmetro, o DN escolhido será de 100mm para o ramal 2.

DNRE2 = 100mm

Passo 04: Determinar o traçado das tubulações de ventilação

Em prédios de um só pavimento, como é nosso caso, deve existir pelo menos um tubo ventilador ligado diretamente ao ramal de descarga de um vaso sanitário ou em junção ao coletor predial, subcoletor ou ramal de descarga de uma bacia sanitária e prolongado até acima da cobertura. Isso acontece para evitar que os gases provenientes da rede pública adentrem a edificação.

Desse modo, é necessário realizar a ligação dos desconectores da caixa sifonada e da bacia sanitária ao tubo ventilador, respeitando as distâncias máximas indicadas na tabela 4.

Distância entre os últimos desconectores e o limite do banheiro

Distância entre os últimos desconectores e o limite do banheiro

Tabela 4 – Distância máxima de um desconector ao tubo ventilador

Distância máxima de um desconector ao tubo ventilador

Como a tubulação em que o ramal de ventilação está conectado possui 50mm de diâmetro, a distância que devemos considerar é 1,20m entre o ramal de ventilação e os desconectores da caixa sifonada e do vaso sanitário.

Sendo assim, um único ramal de ventilação ligado ao ramal de esgoto 1 será suficiente e o traçado resultante, neste passo, é o seguinte:

Traçado das tubulações de ventilação, em rosa

Traçado das tubulações de ventilação, em lilás

Passo 05: Dimensionamento da caixa sinfonada

De acordo com a ABNT NBR 8160/99, para o dimensionamento das caixas sinfonadas, as seguintes condições mínimas devem ser respeitadas:

  • Quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 6 UHC, o DN mínimo é de 100 mm;
  • Quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 10 UHC, o DN mínimo é de 125 mm;
  • Quando receberem efluentes de aparelhos sanitários até o limite de 15 UHC, o DN mínimo é de 150 mm.

Como a nossa caixa sinfonada está recebendo apenas 3 UHC, ela será de 100mm.

Passo 06: Dimensionamento das tubulações de ventilação

Como a casa em questão é térrea, não existirá tubo de queda. Sendo assim, a única ventilação existente será a secundária.

Para isso, o ramal de ventilação deve obedecer aos limites determinados na tabela 5 abaixo e a coluna de ventilação deve seguir as indicações da tabela 6.

Tabela 5 –Dimensionamento de ramais de ventilação

Dimensionamento de ramais de ventilação

Tabela 6 –  Dimensionamento de colunas de ventilação em função da contribuição

http://www.guiadaengenharia.com/wp-content/uploads/2019/04/dimensionamento.jpg

Portanto, o diâmetro resultante para o ramal de ventilação foi de 50mm.

Já para a coluna, de acordo com a tabela 6, foi de 40mm, mas adotaremos o mesmo valor do diâmetro do ramal de ventilação.

Passo 07: Determinar as inclinações das tubulaçãoes

No caso das tubulações de coleta e transporte de esgoto, todos os trechos horizontais devem possibilitar o escoamento por gravidade. Logo, devem obedecer às seguintes declividades mínimas:

  • 2% para diâmetros de tubulação de até 75mm;
  • 1% para diâmetros de tubulação maiores ou iguais a 100mm.

Já no caso das tubulação de ventilação, seus trechos horizontais devem ser instalados com aclive mínimo de 1%, evitando, assim, que líquidos ingressem na tubulação.

RESULTADO FINAL

A seguir, o resultado final do dimensionamento de um banheiro de uma casa térrea, de acordo com as recomendações da ABNT NBR 8160/99.

Resultado do dimensionamento

Essas foram algumas recomendações para o correto dimensionamento das tubulações de esgoto predial. Se gostou, não deixe de seguir nosso Instagram e nosso canal no YouTube para receber mais posts como este!

Ah, e se ainda ficou alguma dúvida, comente aqui embaixo.

Comments 24

    1. Post
      Author
    1. Post
      Author
  1. Ola, tenho uma duvida, quando a unidade Hunter for de 95, como dimensiono o ramal de ventilação?
    Pois a tabela especifica até 60 uhc, eu teria que dividir em 2 ramais?
    Se puder tirar essa minha divida, eu agradeço!

    1. Post
      Author
  2. Boa tarde. Me tira uma dúvida, eu estou elaborando uma CASA TÉRREA (sem tudo de queda algum ) e o banheiro não é tão perto da cozinha, certo? No caso eu coloquei um tubo ventilador e dimensionei conforme este post, mas estou com dúvida na cozinha/área de serviço, que tem (pia, tanque e máquina de lavar com ralo sinfonado). Na minha cozinha/área de serviço eu precisarei de tubo de ventilação também ou só no banheiro?

    1. Post
      Author

      João, creio que não seja necessário instalar tubo de ventilação na cozinha/área de serviço, pois nessa áreas não há tanta contribuição de matéria orgânica e, portanto, a produção de gases não é significativa, além de que o sifão da pia e do ralo são suficientes para impedir a saída desses gases e a contaminação do ar.

    1. Post
      Author
  3. Excelente artigo.
    Fiquei com uma dúvida no diâmetro do ramal de esgoto (RE1). Esse trecho tem UHC de 5. De acordo com a Tabela 2, para UHC entre 4 e 6, o DN mínimo é de 50 mm. Então, não seria DNRE1 = 50mm ao invés de 40 mm?

    1. Complementando a dúvida:

      De acordo com a NBR 8160:1999, o ramal de esgoto da caixa sifonada deve ser dimensionado conforme indicado na Tabela 4 (da norma). Se for seguir a norma, o DN RE1 é de 75 mm.

      Inclusive, você comenta isso no artigo (“No caso do ramal de saída (ou de esgoto) da caixa sinfonada, deve ser dimensionado conforme indicado na tabela 2”): https://www.guiadaengenharia.com/dimensionamento-tubulacoes/

      De antemão, já agradeço pela ajuda.

      1. Post
        Author

        Sim, mais uma vez correto. No entanto, andei observando em alguns softwares de instalações sanitárias que o UHC da caixa sifonada não é contabilizado. Além disso, esse valor não existe na tabela 1. É por essa razão que o valor resultante para o ramal da caixa sifonada, utilizando a tabela 4 da norma, é 50 mm.

    2. Post
      Author
  4. Dandara, parabéns pelo trabalho! Gostaria que me ajudasse no cálculo da distância do desconector ao tubo ventilador. O ramal de descarga 1 tem diâmetro de 40 mm. Então, a distância máxima ao tubo ventilador (conforme a Tabela 3) é de 1,00 m. Mas pela planta, fiquei na dúvida pq do sifão do lavatório (que também é desconector) ao ramal de ventilação dá mais que 1 metro.
    Como é feita essa análise?
    Obrigada!

    1. Post
      Author

      Muito obrigada, Iva! O diâmetro que devemos considerar no cálculo da distância mínima é o diâmetro referente ao ramal de esgoto conectado ao ramal de ventilação. No nosso caso, trata-se de 50 mm de diâmetro. Logo, a distância que devemos observar é 1,20 m.
      A sua dúvida quanto à distância entre o ramal de ventilação e o sifão do lavatório é totalmente compreensível, pois nossa norma de esgoto é omissa em muitos pontos.
      Devemos ter em mente que a função principal da ventilação é evitar que gases fétidos da rede pública ou da fossa séptica adentrem nossa edificação. Dessa forma, não consideramos o sifão do lavatório, pois a caixa sifonada já está o protegendo quanto a isso. Deu pra entender?

    1. Post
      Author
  5. Mais uma vez seus artigos me ajudando muito. Desejo todo o sucesso do mundo a vocês, pois produzem um conteúdo de excelente qualidade. Adoraria de ver mais artigos e exercícios práticos voltados a projetos complementares.
    🙂

    1. *Dúvida*
      Quais os softwares são recomendados para fazer o traçado e o dimensionamento dos projetos sanitários?

      1. Post
        Author
    2. Post
      Author
  6. Boa noite Dandara quanto a área de serviço tenho tubulação de descarga do tanque e da maquina de lavar roupa chegando em uma caixa cifonada onde dela sai ramal de esgoto.
    A máquina de lavar ela produz espuma sendo assim Eu precisaria ter uma ramal de ventilação para colocar nessa ramal de esgoto para ajudar a questão da espuma Entretanto a minha tubulação do esgoto é de 50 diâmetro e na tabela na minha tubulação de ramal de ventilação seria 40 É isso mesmo eu posso ter um diâmetro de esgoto maior ligado um diâmetro de ramal de ventilação menor

    1. Post
      Author

      Oi Lybna, você pode sim utilizar um ramal de ventilação com o diâmetro inferior ao diâmetro da tubulação de esgoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *